sábado, 2 de outubro de 2010

Palcos...


 Desatas as pontas da incógnita, da surpresa, de cada dia que nos pertence. Claramente vislumbro toda esta encenação de mais um palco que fixaste na minha vida. Agrada-me a peça e o actor, sinto-me tentada a fazer parte dela e dou-te a mão. Tu e eu, sozinhos no palco, sem qualquer guião e totalmente ao improviso, tentamos recrear o que ainda não ousei experimentar.
Formamos uma combinação agridoce se me permites tal metáfora. Encaramos cada desafio que nos é posto à prova, e somos aprovados com distinção. Sofremos ambos de uma cumplicidade que nos é mútua e recíproca, e eu, e tu, personagens de palco e de vida selamos a cena final com um beijo.
O publico fantasma, mudo e quieto aplaude de pé.

10 comentários:

Sinceridade e transparência... Sejam bem vindas :)