sexta-feira, 25 de junho de 2010

Bon voyage...


E quando a luz me ofusca e as raízes da tristeza me invadem e esturpem de mim as lágrimas de um passado que me marcou, tu apareces.
Vieste e resgataste-me, quebrando a corrente que me mantinha ligada aquele amante deliciosamente obscuro e inconscientemente hipnotizador das minhas vontades.
Obra de um acaso, talvez pré-determinado assim que viemos a habitar este mundo. Fomo-nos descobrindo, e fui soltando aos poucos os dedos desta corda temporal.
Somos rio e marés, somos climas e frentes oclusas, somos tanto em tão frágil tempo…
Talvez um dia possas vir habitar o agora desértico caminho que leva ao meu igualmente frágil órgão.
Sem atalhos, sem facilidades, não leias sequer as regras!


Desejo-te apenas boa viagem.


Tens um extenso caminho por percorrer …

7 comentários:

  1. obrigado pelo comentário. é a minha nova rúbrica aleatória :D

    os teus textos são sempre tão bons! wow

    gostei 3e67547aoquadrado5869760e455425pi4659infinitos86858mil vezes deste texto :3

    está tão sweet.

    kisses, A*

    ResponderEliminar
  2. eu também não sabia onde ficava, mas já me tinham falado muito daquele sítio. É em Góis, tem de se andar muito para a encontrar. Mas é muito bonito +.+

    ResponderEliminar
  3. muito obrigada :)
    só gostava que esse "ele" fosse agora real - já foi. not anymore

    ResponderEliminar

Sinceridade e transparência... Sejam bem vindas :)